segunda-feira, 12 de junho de 2017

Filipe Gonça


  Há dois anos o Porto d'Ave descia de divisão. Uma época em que falhou e, quando o Porto d'Ave falha, falhamos todos.
  No ano seguinte era necessário unir a 'Família' e esse período coincidiu com a mudança de direcção.
 Tuxa era, indiscutivelmente, o homem com o perfil que encaixava nessa necessidade. Quando soou o seu nome não tive dúvidas que era o presidente que o Porto d'Ave precisava naquele momento; foi com pena minha não o poder acompanhar, mas coincidia com um período em que, por motivos profissionais, não podia dar o contributo que me exijo quando assumo um compromisso dessa responsabilidade.
  Depois da escolha da direcção era necessário construir uma equipa motivada, mas não era muito provável que jogadores com a marca de campeonatos nacionais e com o sonho, sustentado na sua qualidade, de escalar mais alto, aceitassem voltar a jogar em campos pelados contra clubes onde o futebol ainda não saiu da forma mais artesanal, se é que me faço entender!
  Ficaram todos que foram convidados a renovar; tinham acabado de descer e sentiram a responsabilidade de voltar a trazer o Porto d'Ave para o escalão mais alto do futebol distrital. E fizeram-no de uma forma tão nobre, tão digna, mas sobretudo tão competente e brilhante, que por vezes até fico a pensar que aquela descida de divisão não nos diminuiu, mas pelo contrário, fez com que o Porto d'Ave regressasse ainda maior.
  Mas o verdadeiro motivo deste 'desabafo' é o que se segue:

  Filipe Gonça.


  Filipe Gonça foi o nome escolhido para agarrar o leme nesta viagem que hoje ninguém tem dúvidas que o navio vai seguro. A forma como usou a camisola do Porto d'Ave enquanto jogador merece-me a maior reverência. Mas não foi apenas dentro das quatro linhas que foi grande; respeitou o clube em todas as frentes, colegas, dirigentes, sócios e adeptos (ofereceu-me uma camisola do Porto d'Ave depois da derrota mais pesada em toda a história do clube, em Dume naquele dia 15 de Março de 2015 em que sofremos sete golos, e a forma como o fez traduz a sua maneira alargada de ver o Porto d'Ave que vai muito para além do rectângulo de jogo). Por tudo isso e muito mais, Filipe Gonça é alguém que eu fico feliz por ver nesse lugar.
  Mas, quando se fala do Porto d'Ave, quando é para decidir assuntos do Porto d'Ave, eu coloco em primeiro lugar o Porto d'Ave e apenas depois vem os amigos ou a família. E aqui, quando soou o seu nome, a sensação foi bem diferente da que tive quando soou o nome do presidente. Confesso que tive dúvidas, que tive medo! Filipe Gonça nunca tinha sido treinador e o Porto d'Ave tinha que subir de divisão, num campeonato que contava com várias equipas com o mesmo objectivo. Para subir era necessário ganhar os jogos quase todos e perder quase nenhum e Filipe Gonça era um nome muito arriscado! Mas a direcção arriscou e em tão boa hora o fez.
  Nunca me senti tão feliz por não ter razão!
  Não deve ser fácil liderar jogadores que foram colegas de equipa: Filipe Gonça conseguiu.
  Não deve ser fácil ser treinador inexperiente num projecto tão exigente como o 'ter' que subir de divisão: Filipe Gonça conseguiu.
  Não deve ser fácil ser treinador há apenas um ano, chegar ao escalão mais alto do futebol distrital, onde moram outros treinadores há vários campeonatos, e mesmo depois dum arranque negativo conseguir recuperar para a primeira metade da tabela chegando mesmo a espreitar o topo: Filipe Gonça conseguiu.
  Não deve ser fácil ser treinador num clube que sonha há quatro décadas com uma presença na final da taça da Associação de Futebol de Braga, com a missão complicada nesse percurso de ter que vencer no terreno do campeão da divisão nas meias finais: Filipe Gonça conseguiu.
  Obviamente que não conseguiu sozinho, e o mérito é de todos, mas dos jogadores eu nunca duvidei!
  Quero aqui dizer que as dúvidas de há dois anos desabafei-as apenas com uma ou duas pessoas, até porque eu queria muito estar errado, eu queria que desse certo pelo Porto d'Ave e também pelo treinador. Nunca me senti tão feliz por estar errado, porque esta época memorável que terminou sábado em Barcelos tem vários nomes, mas se tivesse que destacar um, seria aquele de quem eu teria dito que é muito arriscado e aconselharia alguém mais experiente caso me tivessem pedido opinião; esse nome é Filipe Gonça.

Obrigado meu amigo.


segunda-feira, 5 de junho de 2017

Faltam 90 minutos



Faltam 90 minutos;

No início o Porto d'Ave era um sonho 
um sonho de muita gente
tornado realidade há quase 40 anos.

Nesse dia nasceram outros sonhos
que foram sendo realizados,
menos este que ano após ano manifestamos
e ano após ano
antes das meias finais
deixava de ser sonho
e era desilusão... era derrota...

Nunca o sonho chegou tão longe,
faltam apenas 90 minutos,
os 90 minutos mais importantes de uma história com quase 40 anos.
Nunca tanta gente acreditou como agora.

Acreditamos porque sabemos que dentro das quatro linhas
há uma verdadeira equipa
EQUIPA na maior elevação dessa palavra, 
unida, determinada, competente, mas não apenas competente,
uma equipa que sabe jogar ao som do violino,
mas quanto é necessário,
também sabe jogar ao som do tambor,
uma equipa feita de Homens que não se limitam a dizer que querem vencer,
como demonstram essa vontade em cada lance disputado,
e sabemos que vão fazê-lo ainda mais determinados desta vez.
Uma equipa feita de homens com a coragem
que combatem sem se desviar do perigo,
que sabem correr, sabem saltar, sabem rastejar,
homens com mestria mas também com garra, 
homens de coração valente.

Faltam 90 minutos,
e em cada lance de cada um daqueles 90 minutos,
tudo pode ser necessário para cumprir o sonho que carregam.
um sonho com quatro décadas
sonhado por toda esta família tão grande
que se orgulha daquele símbolo que transportam no peito,
o nome dessa família é Porto d'Ave.

Falta escrever o último capítulo desta epopeia gloriosa,
e há uma vontade inabalável de o escrever a tinta dourada.
Vamos estar lá todos, e aqueles que não puderem comparecer
estarão unidos nesta corrente que nos faz acreditar,
na certeza desta vitória que é de todos.
porque cada um de nós pode acrescentar uma estrofe,
cada um de nós pode gritar bem alto o nome que nos une,
PORTO D'AVE.

Faltam 90 minutos,
e em cada momento, em cada segundo,
estará no horizonte de cada um,
aquela Taça que nunca antes erguemos.

Acreditamos em vós, Equipa do Porto d'Ave,
acreditamos em cada um,
acreditamos porque nos fizestes acreditar,
força, coragem, vontade de vencer, são a vossa marca,
foram assim em cada batalha,
 durante toda a caminhada,
quanto orgulho no último jogo,
quanto orgulho pela forma como honraram esse símbolo que trazem no peito.

Faltam 90 minutos para ir buscar aquela taça
Ide buscá-la,
Ide agarrá-la com garra,
ide erguê-la bem alto,
tragam-na, tragam-na para Porto d'Ave.

Jogadores do Porto d'Ave,
esta missão está nas vossas mãos,
e não podia estar em melhores mãos,
vão lá, e vençam,
vão lá, e vençam,
VENÇAM.
VENÇAM

sábado, 3 de junho de 2017

Vamos erguer a Taça


Aproxima-se aquele que, para mim, é o momento maior da história do Porto d'Ave,
uma história que começou muito antes da sua filiação, há quase 40 anos;
É a vós, jogadores do Porto d'Ave, que me dirijo,
a vós que mereceis vestir essa camisola
que tanto respeito demonstrais por ela,
Por favor; ide agarrar aquela Taça;
todos jogos são para vencer,
mas não são todos iguais;
os dois que temos pela frente são daqueles que serão lembrados para toda a vida.
Vençam-nos,
vençam pelas vossas famílias que, quase todos os dias, se privam da vossa companhia por 'culpa' do futebol;
Vençam por cada um dos membros dessa equipa que, ao fim dum dia de trabalho, se juntam no nosso parque desportivo para treinar, para dar tudo em cada exercício para preparar os próximos desafios;
Vençam pelos dirigentes que não poupam esforços para que as condições durante treinos e jogos sejam as melhores;
Vençam por todos aqueles que, antes de vós, vestiram essa camisola e a ajudaram a ser grande e digna como é hoje;
Vençam por dirigentes e amigos do Porto d'Ave que deixaram lágrimas e suor nesse recinto, sobretudo por aqueles que deram horas e horas de trabalho duro, que deram muito mais do que tinham para dar, e agora vivem no outro lado da vida;
São, sobretudo esses, que não podemos esquecer;
Temos que lhes dar esta vitória,
Vençam por eles;
Vençam por essa camisola linda e honrada;
Vençam por esse símbolo tão nobre que trazem ao peito;
Vençam por vós
Vençam...
nós estaremos lá,
nós podemos gritar,
nós podemos apoiar,
Mas tereis que ser vós a meter o pé numa bola dividida, com coragem, com determinação,

Tereis que ser vós a entrar em campo equipados de vontade de vencer,
Tereis que ser vós a dar mais do que as pernas por vezes permitem se for necessário ultrapassar um adversário que se vai a isolar, ou chegar a uma bola que para um comum mortal possa parecer perdida;

Porque, se necessário for, vós ides ser mais do que comuns mortais,
Mais do que nunca, ides ser jogadores do PORTO D'AVE,

Ides ser uma equipa que carrega um sonho duma terra, 
um sonho dum povo que tem um orgulho enorme em se chamar PORTO D'AVE;
um povo jamais vos esquecerá,
e tantos que ainda vão nascer vão ouvir falar daquele dia em que erguemos a primeira Taça,
irão ouvir falar de vós, 

e também esses irão repetir os vossos nomes a filhos e netos.

Não existe glória sem estratégia,
Não existe glória sem talento,
mas isso não chega;
é necessário uma enorme vontade de vencer,
é necessário suor, esforço, sacrifício, dor
pode ser necessário deixar até sangue no campo
e sabemos que vós ides dar o que for necessário,
e ides agarrar aquela taça.
Esperamos de vós, porque acreditamos em vós,
porque sabemos do que sois capazes,
e isso faz-nos sonhar porque temos a certeza que vós ides tornar esse sonho realidade,
Um sonho com quase quatro décadas,
Um sonho tão grande, tão lindo, de tanta gente!

Falta pouco; 

falta pouco para que essa taça seja levantada por vós,
e ficareis vivos para sempre na história do Porto d'Ave,
tal como Camões escreveu:
“E aqueles que por obras valerosas
Se vão da lei da morte libertando:
Cantando espalharei por toda a parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.”
(Luís de Camões)


Será assim convosco,
Sereis lembrados para sempre por todos que sentem orgulho em dizer esse nome tão grande:
PORTO D'AVE
Façam o que é para fazer
vão lá para dentro e vençam
vençam por nós, vençam por vós,
vençam por....
não importa por quem, mas vençam.... vençam
não parem enquanto essa taça não estiver bem segura nas vossas mãos,
Agarrem-na
VENÇAM... 
VENÇAM