quarta-feira, 31 de março de 2010

Terras de Bouro Reage Mal a Humilhação


G. D. Porto d'Ave - 3

A. D. Terras de Bouro - 1


O Porto d’Ave confirmou o favoritismo no jogo referente aos oitavos de final da Taça da Associação de Futebol de Braga e venceu sem dificuldades o Terras de Bouro numa partida que só teve um sentido. Depois do desgaste na última jornada em que os nossos jogadores realizaram uma grande exibição frente ao Taipas, com apenas dois dias de descanso votaram a entrar em campo equipados de vontade de vencer e carimbaram a passagem aos quartos de final da competição.

O placar podia ter sido aberto bem cedo mas a falta de pontaria adiou o golo quase até ao intervalo. Aos quatro minutos Zé Beto falha em frente ao guardião na primeira grande oportunidade para o Porto d'Ave. Este jogador pouco mais tempo esteve em campo, saindo lesionado após uma entrada violenta que o árbitro não quis ver., ficando uma falta por assinalar e um cartão vermelho por mostrar. Passados cinco minutos o perigo volta a rondar a baliza do Terras de Bouro num cabeceamento de Luís Manuel, mas a bola pára nas mãos do guardião forasteiro. Ao minuto onze o fiscal de linha escorrega e arranca uma grande gargalhada naquele que foi o primeiro sinal de embriaguês que este sujeito demonstrou na partida. Ao minuto vinte a bancada preparava-se novamente para festejar mas a bola passa rente ao poste num remate de Neves. Adivinhava-se o golo a qualquer momento, mas foi preciso esperar até ao minuto quarenta e cinco para ver a bola no fundo da baliza, num livre de Paulinho que ainda contou com a tabela dum defesa.

Na segunda parte a equipa de Terras de Bouro continuava a ver jogar e as oportunidades eram todas dos nossos jogadores. O golo esteve nos pés de Vitinha por duas vezes. Perto da meia hora a envia a bola à trave na marcação dum livre e ao minuto quarenta volta a estar em boa posição para arrumar com a eliminatória mas remata rente ao poste. O Porto d’Ave desperdiçava e o inesperado aconteceu aos noventa minutos em que o único remate do nosso adversário leva o jogo para prolongamento.

Ninguém contava que numa partida em que só uma equipa estava a jogar fosse necessário o desempate no período suplementar, nem mesmo o adversário que nesta fase não conseguiu dar mais de dois toques seguidos na bola, e os golos da vitória surgiram com naturalidade. O dois a um foi apontado por Victor que finalizou da melhor forma uma excelente jogada e o terceiro foi apontado pelo Manaus. Pelo meio assistimos a várias oportunidades que podiam dar um resultado muito mais expressivo num jogo de tal forma desnivelado que parecia que estavam em campo equipas de divisões muito mais afastadas.

Mas o nosso adversário não aceitou da melhor forma a humilhação de que estavam a ser alvo e começaram a expressar a frustração através duma covarde violência. Por sua vez, a equipa de arbitragem ao aperceber-se que era o Porto d’Ave que ia seguir em frente na prova começa a preparar o terreno para o Vilaverdense e não só permitiu entradas à margem das regras de futebol sobre os nossos jogadores como também expulsou nos últimos momentos os dois avançados normalmente utilizados pelo treinador João Fernando. E desta forma o Porto d’Ave vê-se privado de Zé Beto, Vitinha e Manaus para o jogo dos quartos de final da Taça da Associação de Futebol de Braga que o sorteio (ou lá o que foi aquilo) ditou que se realize em Vila Verde.


segunda-feira, 29 de março de 2010

Vamos Apoiar o Porto d'Ave


Hoje à Noite

31 de Março pelas 20,30 horas
no nosso Parque de Jogos

G. D. Porto d'Ave ***A. D. Terras de Bouro

1/8 de Final da Taça da Associação de Futebol de Braga

Este é mais um jogo que ninguém pode faltar


"Campeões não são feitos em academias. campeões são feitos de algo que eles tem profundamente dentro de si: um desejo, um sonho, uma visão"
Muhammad Ali

domingo, 28 de março de 2010

Taipas empata com Golo de Andebol


G. D. Porto d'Ave - 1
C. Caç. Taipas - 1

Porto d’Ave foi hoje a capital do futebol distrital e preparou-se a rigor para o acontecimento. Na bancada do nosso Parque de Jogos estavam centenas de adeptos de ambos emblemas para assistir a uma partida que colocava frente a frente a equipa local e o líder da tabela classificativa (segundo classificado após este empate). Depois de termos dividido os pontos no recinto deste adversário no jogo da primeira volta, numa partida dominada pelos homens comandados pelo Mister João Fernando em que a verdade desportiva deixou muito a desejar, o Porto d’Ave volta a defrontar o Taipas com a mesma atitude e só não se pode dizer que foi com olhos nos olhos porque os forasteiros apresentaram-se no nosso recinto muito cabisbaixos. Paulinho e Zé Beto estavam impedidos de alinhar por expulsões nitidamente encomendadas para que a passadeira estendida para este adversário desde a primeira jornada seja ainda mais suave, mas isso não tirou fulgor ao Porto d’Ave que se apresentou determinado a fazer mais um grande jogo contra o líder da tabela. (repito, segundo após este empate)

O Porto d’Ave entrou melhor na partida e aos cinco minutos já tinha assustado o guarda-redes do Taipas por três vezes. Primeiro num remate de longe de Meira que tenta fazer um chapéu. De seguida Manaus à entrada da área não acerta na bola e ao quinto minuto Vitinha faz uma excelente jogada pelo lado esquerdo tirando vários adversários do caminho e remata forte obrigando o guardião forasteiro a uma grande defesa. O Porto d’Ave assumia-se como dono do jogo e aos quinze minutos o árbitro da partida não dá a lei da vantagem e assinala uma falta contra o Taipas beneficiando o infractor uma vez que os nossos jogadores estavam a construir mais uma jogada de ataque. Mas na sequência desta falta surge o golo do Porto d'Ave através de Jaqques que entra na área pelo lado esquerdo e remata para o fundo da baliza. Nos últimos minutos da primeira parte Manaus esteve perto do golo por três vezes. Primeiro quase aproveita um desentendimento entre o guardião e um defesa do Taipas, de seguida obriga o guardião a fazer canto num potente remate e mesmo em cima do intervalo optou pelo cruzamento quando estava em posição para fazer o dois a zero que já se justificava nesta altura.

No regresso dos balneários o jogo voltou a ter só um sentido, com o Porto d’Ave à procura do segundo golo e o Taipas rendido à estratégia elaborada pelo Mister João Fernando que aliada à classe dos nossos jogadores estava a deixar o líder (segundo classificado após este empate) com os olhos em bico. Não vou descrever aqui todas as oportunidades desperdiçadas para ampliar a vantagem porque assumi um compromisso de acabar esta crónica antes da meia-noite. Mesmo assim nada fazia prever que a vitória nos fugisse uma vez que o adversário limitava-se a ver jogar, mas um lance quase aos noventa minutos em que um jogador do Taipas controla a bola com a mão como se de um jogo de andebol se tratasse, e faz o golo do empate colocando uma grande injustiça no resultado num lance que deturpa as regras mais básicas de futebol (football : foot = pé / ball = bola). O Porto d'Ave nos últimos minutos ainda tentou colocar-se novamente em vantagem, mas o Taipas a partir do golo do empate limitou-se a defender com unhas e dentes para segurar aquele precioso pontinho.

Os nossos jogadores voltaram a realizar uma grande exibição, e apesar de terem perdido dois pontos ao cair do pano, abandonaram o campo debaixo duma merecida e ensurdecedora salve de palmas por parte de centenas de adeptos do Porto d'Ave que testemunharam o banho de bola que o líder da classificação (volto a repetir, segundo após este empate) levou no nosso recinto.

Este jogo fica também marcado pelo regresso de Filipe Ferreira, que depois de ter decidido abandonar a carreira, o nosso antigo Capitão resolve voltar ao Porto d'Ave. Faltavam cerca de quinze minutos para o final da partida quando voltou a pisar o "seu" campo de futebol, e todos adeptos presentes demonstraram uma grande alegria por ver este filho da nossa terra novamente vestido com a camisola do Porto d'Ave.


Em declarações á comunicação social no final do jogo da primeira volta o treinador do Taipas disponibilizou-se para dar umas lições de treino ao Mister João Fernando. Este foi um acto muito nobre e demonstrou ser dotado de grande generosidade. Não temos conhecimento se essas aulas já iniciaram, mas caso a resposta seja positiva deixo aqui os parabéns ao homem que se senta no banco de suplentes do Taipas, pois trata-se de um excelente pedagogo, e a prova disso é que o seu aluno hoje fez um exame e passou com distinção deixando o professor com os olhos em bico. Nota final: Vinte valores para o aluno e o professor receberá a sua avaliação em conformidade no final do ano lectivo. Tudo indica que o Porto d’Ave na próxima época volta a deslocar-se às Taipas e duvido que encontremos este senhor novamente.

Na próxima Quarta-feira à noite o Porto d’Ave vai defrontar o Terras de Bouro num jogo referente aos oitavos de final da Taça da Associação de Futebol de Braga. Uma presença na final desta competição é um sonho antigo do nosso clube e esta época já foi tornado público pela voz do nosso treinador que está nos seus horizontes presentear toda a colectividade com a sua realização. Esta é uma competição a eliminar e esta época apenas quatro equipas conseguiram vencer o Porto d’Ave . Se vencermos o Terras de Bouro vamos discutir com o Vilaverdense no próximo sábado a passagem às meias-finais. Esta época já defrontamos este adversário no seu recinto e a vitória só não nos sorriu porque uma equipa de arbitragem sem dignidade falsificou o resultado ao não assinalar uma grande penalidade aos noventa minutos de jogo sobre Vitinha.

A equipa deste blog também sabe que o sorteio que ditou a nossa deslocação a este recinto para esta eliminatória deixou algumas dúvidas no que a transparência diz respeito, uma vez que foi ocultada a data do mesmo aos responsáveis do Porto d’Ave que se preocuparam em saber quando seria a sua realização e apenas receberam pontos de interrogação. Parece que a velha “estória” da bola quente e bola fria permanece nos hábitos dos donos do futebol distrital bracarense.

Me conforta este som do chafariz do terreiro


"A vida não consiste em ter boas cartas na mão e sim em jogar bem as que se tem."

Josh Billings


sábado, 27 de março de 2010

Futsal Feminino


Arnoso Santa Maria - 0
G. D. Porto d'Ave - 7



Chapa sete e novamente a nossa baliza inviolável na deslocação a Arnoso para defrontar a equipa local num pavilhão dotado de excelentes condições. As nossas jogadoras entraram no jogo com vontade de o resolver cedo e ao quinto minuto o placar já anunciava dois a zero sendo o primeiro apontado pela Paula e o segundo pela Lúcia. Depois houve um longo período em que o resultado não sofreu alterações, fruto duma grande exibição da guardiã local que evitou o golo das nossas jogadoras por diversas vezes. Também a Rita teve oportunidade de mostrar qualidades ao minuto vinte quando desvia para canto um potente e colocado remate pelo lado esquerdo do ataque do Arnoso. Mas quando o chá já aquecia no balneário o Porto d’Ave volta a introduzir a bola na baliza por mais duas vezes com ambos os golos apontados pela Jú e ainda assistimos a uma bola no poste num remate da Inês.



No regresso dos balneários as nossas jogadoras voltam a marcar cedo, numa jogada em que a Jú sofre falta, o árbitro não marca, a Jú geme mas não desiste e assiste a Lúcia que faz o quinto e o segundo da conta pessoal. Aos dez minutos a Inês que já tinha ameaçado por várias vezes consegue finalmente fazer o gosto ao pé e eleva para seis a zero. O fecho da contagem coube à Sandra que aos vinte minutos faz o sétimo para o Porto d’Ave. Passados três minutos a equipa da casa também esteve perto do golo de honra, mas a Melanie foi mais forte e fez duas grandes intervenções mantendo a baliza do Porto d’Ave mais uma vez inviolável.

O próximo jogo é no Pavilhão da Secundária onde vamos defrontar o Ribeirão. Vamos mais uma vez marcar presença e apoiar esta magnifica equipa.


terça-feira, 23 de março de 2010

Vamos Apoiar o Porto d'Ave


Seniores
G. D. Porto d'Ave *** Caç. Taipas
Domingo, dia 28 de Março pelas 16,00 horas

Futsal Feminino
Arnoso Santa Maria *** G. D. Porto d'Ave
Sábado, dia 27 de Março pelas 18,00 horas

Juniores
G. D. Porto d'Ave *** U. D. Torcatense
Sábado, dia 27 de Março pelas 16,00 horas

Juvenis
Vieira S. C. *** G. D. Porto d'Ave
Sábado, dia 27 de Março pelas 16,00 horas

Iniciados
Escola Form. Fintas *** G. D. Porto d'Ave
Sábado, dia 27 de Março pelas 15,45 horas

Infantis

Descansam

Escolas
G. D. Porto d'Ave *** Catel Cunha
Domingo, dia 28 de Março pelas 10,30 horas


"O importante não é vencer todos os dias, mas lutar sempre"
Santo Agostinho

domingo, 21 de março de 2010

Empate em Padim da Graça


Águias da Graça - 0
G. D. Porto d'Ave - 0


Tal como na primeira volta o Porto d’Ave volta a dividir os pontos com o Águias da Graça e com este são já onze empates para o campeonato.

A estratégia elaborada pelo Mister João Fernando para este jogo prometia golos uma vez que fez alinhar de início quatro setas em direcção à baliza com Manaus, Vitinha, Freitas e Victor na equipa titular, mas desde cedo se percebeu que a equipa da casa não era o único obstáculo que estes jogadores iam ter que ultrapassar. Até ao intervalo foram travados vários ataques do Porto d’Ave sendo o mais disparatado ao minuto vinte e quatro quando é inventada mais uma falta a Victor num lance em que partia em situação de perigo para a baliza da casa.

No regresso dos balneários Paulinho cria perigo logo no primeiro minuto através da marcação de um livre de longe em que obriga o guardião a fazer canto. Do canto o perigo volta a rondar a baliza da casa. A partir daqui também os jogadores do Águias da Graça puseram Clemente à prova que faz uma grande defesa ao minuto treze num remate de longe e ao minuto vinte e cinco volta a estar em grande ao ter que intervir por duas vezes. Mas quanto mais os ponteiros do relógio avançavam mais inclinado o campo ficava e à passagem da meia hora o sujeito do apito mostra o segundo amarelo ao nosso lateral esquerdo Paulinho numa falta que não existe. Apesar da inferioridade numérica os nossos jogadores não desistiram de procurar os três pontos e Vitinha tenta a sorte num livre rasteiro, mas a bola pára nas mãos do guardião da casa. Por sua vez o nosso adversário com mais um jogador em campo e a jogar no seu reduto, motivado ainda pelo factor de nos ultrapassar em caso de vitória também acreditava no golo, mas quando conseguia transpor a muralha defensiva do Porto d’Ave encontrava um Clemente em dia-sim. Desta forma o jogo terminou sem golos, zero para o Porto d’Ave porque o árbitro não quis e zero para o Águias da Graça porque o Clemente também não quis.

Os nossos jogadores foram mais uma vez motivo de orgulho para qualquer Portodavense porque foram enormes tanto na entrega ao jogo como na inteligência ao não facilitar a tarefa dum sujeito que não conseguiu esconder que estava a trabalhar para terceiros, e tudo fazia para exibir o cartão. Este trio deplorável não se limitou a “roubar” o Porto d’Ave hoje como também “cozinhou” algumas dificuldades para o próximo jogo ao mostrar o segundo amarelo a Paulinho numa falta que não existe.

Aproveito para lembrar que na próxima jornada recebemos o líder da tabela classificativa, e já no jogo da primeira volta contra este adversário conseguimos apenas um empate fruto duma escandalosa arbitragem que nos impediu de vencer a partida. Quem acompanha o campeonato jornada após jornada tem conhecimento da forma como o Taipas tem levado água ao seu moinho, e não existem dúvidas que a expulsão totalmente descabida do nosso lateral Paulinho, exímio marcador de livres bem conhecido do nosso próximo adversário foi cirurgicamente encomendada para que o Porto d’Ave se apresente fragilizado neste jogo contra um líder que vulgarizamos quando nos deslocamos ao seu recinto.


-------------------------------------------------------------------


P.S. Já a partida tinha terminado há quase uma hora, quando a comitiva do Porto d'Ave se dirigia para as viaturas de forma calma e ordeira e fomos surpreendidos com a bravura de um ou dois adeptos locais que queriam agredir o Manaus. Apresentaram argumentos extremamente válidos, pois diziam que o nosso goleador tinha festejado um golo que lhes apontou. Deveras reprovável. A situação foi de tal forma assustadora que só agora deixei de tremer de medo, mas a parte que não entendi muito bem é que foi o nosso numero nove que teve que ser agarrado enquanto o sujeito XL com t-shirt S recuava.

Este foi um episódio isolado de uma ou duas pessoas, enquanto jogadores, directores e outras pessoas identificadas com a instituição Águias da Graça reprovaram veemente aquela atitude. Que se conste que este episódio não mancha a estrutura do nosso adversário, pois fomos bem recebidos nesta deslocação.




"Viste como ergueram aquele edifício de grandeza imponente? - Um tijolo, e outro. Milhares. Mas um a um. - E sacos de cimento, um a um. E blocos de pedra, que pouco representam na mole do conjunto. - E pedaços de ferro. - E operários que trabalham, dia a dia, as mesmas horas. Viste como levantaram aquele edifício de grandeza imponente?... À força de pequenas coisas! "

(Josemaria Escrivá)


sábado, 20 de março de 2010

Futsal Feminino



G. D. Porto d'Ave - 6

Vila Chã - 2


Mais uma grande exibição da nossa equipa de Futsal Feminino num jogo realizado no Pavilhão da Secundária e desta vez no final da partida o placar não anunciava nenhuma injustiça e o Porto d’Ave soma assim mais três pontos, mantendo-se num honroso lugar no lote dos quatro primeiros classificados.

No primeiro minuto de jogo a guardiã do Vila Chã foi obrigada a intervir por duas vezes, com a Nádia e a Paula a criar-lhe dificuldades. No terceiro minuto foi a vez do poste negar o golo do Porto d’Ave também por duas vezes. Primeiro foi a vez da Paula acertar no ferro num remate pelo lado esquerdo e de seguida a Topi volta a fazer tremer a baliza num potente remate pelo lado direito e na recarga a capitã volta a obrigar a guardiã a mais uma grande intervenção. A bola não parava de rondar a baliza adversária e o golo acabou por surgir através da Topi ao oitavo minuto de jogo. Passados cinco minutos o placar já anunciava três a zero, sendo o segundo obtido pela Lúcia e o terceiro pela Paula. Aos vinte e dois minutos a equipa forasteira reduz com um golo de penalty e passados quatro minutos a Inês faz o quarto para o Porto d’Ave. Quase em cima do intervalo a nossa guardiã Rita faz uma grande defesa mas a bola volta para os pés do adversário que volta a reduzir a desvantagem para dois golos.

Na segunda parte as nossas jogadoras entram novamente no rectângulo de jogo determinadas a facturar e ao terceiro minuto a Topi falha ao segundo poste após uma excelente assistência da Nádia e de seguida também a Paula falhou o segundo da conta pessoal em mais uma grande oportunidade desperdiçada. Ao oitavo minuto o Porto d’Ave volta a ganhar uma vantagem de três golos com a Nádia a fazer o quinto e aos dez minutos a Lúcia faz sexto e o segundo da conta pessoal. As oportunidades para ampliar a vantagem continuaram a surgir mas o resultado não sofreu mais alterações até ao apito final.

Relativamente à equipa de arbitragem e após uma pormenorizada análise conclui que tem qualidade.

As nossas jogadoras deram a volta por cima a uma fase menos positiva e a exibição de hoje dá-nos fortes indícios de um final de campeonato carregado de vitórias. A próxima é já na jornada que se segue em que nos deslocamos ao concelho de Famalicão para defrontar o Arnoso Santa Maria. Com a mesma atitude de hoje os três pontos regressarão certamente connosco. Força Porto d’Ave.


"Consulta não os teus medos mas as tuas esperanças e sonhos. Não penses sobre as tuas frustrações mas sobre o teu potencial não usado. Preocupa-te não com o que tentaste fazer e falhaste mas sim com aquilo que ainda podes fazer."

Papa João XXIII


Juvenis Dedicam Vitória à Direcção


A nossa equipa de Juvenis recebeu e venceu o Amares por três a um. Os golos do Porto d'Ave foram apontados pelo capitão Sérgio, Ribeiro e Tiago. No final a comitiva exibiu uma tarja a dedicar a vitória à direcção.


A gratidão é um sentimento muito nobre e os nossos jovens demonstraram com este gesto o reconhecimento do trabalho que a direcção tem para que seja possível criar condições para que possam praticar desporto. Este gesto engrandece ainda mais o nosso clube que o resultado alcançado.

Parabéns, isto chama-se FORMAÇÃO.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Vamos Apoiar o Porto d'Ave


Seniores

Águias da Graça *** G. D. Porto d’Ave

Domingo, 21 de Março pelas 15,00 horas


Futsal Feminino

G. D. Porto d’Ave *** U. D. Vila Chã

Sábado, 20 de Março pelas 18,30 horas


Juniores

D. Ronfe *** G. D. Porto d’Ave

Sábado, 20 de Março pelas 15,00 horas


Juvenis

G. D. Porto d’Ave *** F. C. Amares

Sábado, 20 de Março pelas 15,00 horas


Iniciados

Braga Fut *** G. D. Porto d’Ave

Sábado, 20 de Março pelas 16,30 horas


Infantis

G. D. Porto d’Ave *** Emilianos F. C.

Domingo, 21 de Março pelas 11,15 horas


Escolas

G. D. Porto d’Ave *** Palmeiras F. C.

Domingo, 21 de Março pelas 10,00 horas

“As tempestades, o nevoeiro, a neve, são coisas que por vezes te atrapalharão. Nessa altura, pensa em todos os que as conheceram antes de ti, e diz simplesmente: o que os outros conseguiram também eu hei-de conseguir.”
Saint-Exupéry

Vitória dedicada ao director José Oliveira


Mister João Fernando em declarações ao jornal Correio do Minho dedica a vitória do último Domingo ao director José Oliveira:


“…Gostava ainda de dedicar esta vitória ao Sr. José, a pessoa que nos trata do campo. Há pessoas invisíveis nos clubes, mas são muito importantes.”

(in Correio do Minho, 15-03-2010)



O nosso treinador não só lembrou alguém que muito tem trabalhado para o Porto d’Ave como também demonstrou que é um Homem atento que sabe reconhecer o valor daqueles que sem procurar lugares de destaque prestam excelentes serviços ao clube e à equipa.

Desta forma, este parágrafo no Correio do Minho não nos revela a existência de apenas um Grande Senhor no Porto d’Ave, mas sim de dois.

domingo, 14 de março de 2010

Futsal Feminino


Vitória S. C. - 2

G. D. Porto d'Ave - 1


A nossa equipa de Futsal Feminino deslocou-se a Guimarães para defrontar o Vitória S. C. Para este jogo a treinadora Ana ainda não podia contar com o plantel a cem por cento, uma vez que a onda de lesões que afectou várias jogadoras teima em não dizer adeus.

Apesar deste factor a nossa equipa entrou no rectângulo de jogo determinada a vencer o desafio e a primeira oportunidade de golo surgiu logo no primeiro minuto através da Bi. Passados cinco minutos por duas vezes o perigo rondou a baliza do Vitória, primeiro pela Lúcia e depois pela Paula. Por sua vez a equipa da casa também ia assustando a baliza da Rita que apesar de apresentar sinais evidentes de não estar ainda recuperada ia vencendo o duelo. Ambas as equipas procuravam o golo mas até ao intervalo o placar manteve-se intacto.

Na segunda parte as nossas jogadoras entraram com a mesma atitude e adivinhava-se que o golo ia surgir a qualquer momento. Ao quinto minuto assistimos a dois grandes sustos na baliza da guardiã da casa, primeiro através da Lúcia que rematou forte pelo lado direito e dois a Jú do lado oposto junto á linha de cabeceira faz um chapéu e vê a bola cair em cima da barra. Passados dois minutos a bola volta a bater no poste, novamente num remate forte da Jú. As oportunidades eram uma constante e o golo aconteceu a meio da segunda parte num potente remate da nossa capitã que não perdoou. A partir daqui o pavilhão ficou ainda mais inclinado e o Vitória consegue o empate ao minuto vinte. Neste período a guardiã da casa já estava autorizada a jogar com as mãos fora da área mesmo nas barbas do árbitro que conseguiu ver uma mão da Paula quando à queima roupa leva com a bola no peito. Mesmo assim as nossas jogadoras acreditaram sempre na vitória mas um balde de água fria estava mais uma vez guardado e sofremos o segundo já no período de descontos .

Na presente época defrontamos por três vezes a equipa do Vitória e em todos os jogos sofremos golos ao cair do pano e isso ditou o nosso afastamento da taça e colocou-nos numa situação difícil na luta por um lugar no pódio da tabela. Apesar deste nosso adversário contar com a ajuda de forças que tanto envergonham o desporto em ambos os jogos realizados neste recinto, não posso deixar de testemunhar que fomos bem recebidos por este anfitrião das duas vezes que nos deslocamos a Guimarães. Por isso a estrutura do Futsal Feminino do Vitória está de parabéns.

Apesar da derrota não posso deixar de dar o devido destaque à prestação da nossa guardiã Rita, que apesar das limitações físicas com que se apresentou para este jogo, realizou uma grande exibição com uma mão cheia de intervenções que estão apenas ao alcance das melhores, onde foi notório um enorme espírito de sacrifício para colocar os interesses da equipa à frente da dor provocada pela lesão que teima em não desaparecer. Esta grande guardiã de futsal é feita de muito talento, muita dedicação e não menos importante tem também uma enorme dose de simpatia que a ajuda a brilhar ainda mais. É já um símbolo da mística Portodavense e hoje voltou a demonstrar que merece esse estatuto. Obrigado Rita, por vestires a nossa camisola.

Quanto ao duo de árbitros apenas tenho a dizer o seguinte: Qualquer semelhança entre a camisola que vestiram e a do Vitória não é coincidência, eram claramente da mesma equipa.

Um resultado positivo neste desafio era muito importante para o nome do Porto d’Ave continuar a ocupar um lugar no pódio da tabela, mas a nossa equipa está a atravessar uma fase muito difícil no que a lesões diz respeito, que veio justamente numa altura em defrontamos adversários teoricamente mais difíceis, uma vez que nos três últimos desafios encontramos pela frente os nomes que ocupam as segunda, terceira e quinta linhas na tabela classificativa.

Apesar dos últimos resultados não serem positivos, a caminhada que a nossa equipa vem percorrendo continua a ser motivo de orgulho para todos Portodavenses. Importa dizer que os nomes que se encontram acima de nós na tabela classificativa tem orçamentos avultados e em comparação a nossa equipa está a custo zero. Algumas jogadoras do Porto d’Ave despendem mesmo de uma verba significativa para fazer face às despesas com as deslocações para estar presentes nos treinos e jogos. Por tudo isso e muito mais nenhum Portadavense poderá deixar de demonstrar o seu reconhecimento e gratidão a todos os elementos que constituem esta magnífica equipa. Obrigado por serem do Porto d’Ave.

O próximo jogo é no Pavilhão da Secundária contra o U. D. Vila Chã. Na deslocação ao terreno deste adversário realizamos uma grande exibição e vencemos por cinco bolas a zero. No entanto sabemos que esta é uma das boas equipas do campeonato e mais uma vez será necessário o apoio dos adeptos e todos juntos vamos regressar às vitórias. Força Porto d’Ave.



"Os dias prósperos não vêm ao acaso; são granjeados, como as searas, com muita fadiga e com muitos intervalos de desalento."

(Camilo Castelo Branco)

Vitória Com Bis de Manaus


G. D. Porto d'Ave - 3
G. D. Apúlia - 1


Já com o “Homem do Leme” no banco de suplentes, os nossos jogadores que não lhe conseguiram dedicar a vitória no último jogo, em que apenas arrancaram um empate que ficou aquém da exibição realizada contra o Martim, hoje voltaram a entrar em campo equipados de vontade de vencer demonstrando desde o apito inicial que estavam ali para somar mais três pontos e aproximar o nome do Porto d’Ave dos lugares condizentes com o seu valor. Do outro lado estava uma equipa que venceu já este ano no terreno dos dois primeiros classificados, Taipas e Esposende, e apresentou-se em Porto d’Ave motivada a dar mais um salto uma vez que nos ultrapassaria na tabela caso nos levasse de vencido na partida que hoje se desenrolou no nosso Parque de Jogos na presença de uma plateia muito bem composta de adeptos quase todos afectos à equipa da casa.

Os nossos jogadores começaram cedo a construir a vitória e a dois minutos de jogo Paulinho remata em jeito e vê a bola a passar a um palmo do poste. Passado cinco minutos mais um susto para a baliza do Apúlia num remate de Manaus novamente ao lado. Aos dezasseis gritou-se golo num cabeceamento de Victor mas a bola é desviada para canto. Do canto surge o golo inaugural através de Manaus que muito oportuno aparece na pequena área e envia a bola para o fundo das redes. Passados dois minutos Vitinha aparece isolado e é rasteirado à entrada da área num lance para cartão, mas o árbitro faz vista grossa. À passagem da meia hora Manaus aparece em boa posição para bisar mas o fiscal de linha assinala fora-de-jogo que não existe. Mas o bis do nosso numero nove ainda surgiu antes do intervalo, ao minuto trinta e dois novamente num golo à ponta-de-lança. A cinco minutos do intervalo também Zé Beto viu a trave a negar-lhe o golo num cabeceamento quando a bancada se preparava para festejar o terceiro.

No regresso dos balneários volta a ser o Porto d’Ave a procurar o golo e no primeiro minuto Manaus esteve perto de fazer hact-trick. Aos nove minutos Victor faz um grande golo de cabeça e deita abaixo as esperanças do Apúlia que a quinze minutos do final da partida ainda reduziu para três a um quando o Porto d’Ave também também alinhava com apenas dez jogadores por expulsão de Zé Beto.

O Porto d’Ave foi claramente a melhor equipa em campo e até podia ter aumentado a vantagem em várias situações de perigo que construiu, e por isso é um justo vencedor numa partida em que estava muito em jogo.

Quanto ao trio de arbitragem, é difícil encontrar pior. Entre os protestos que se ouviram tanto do Porto d'Ave como do Apúlia também conseguiram arrancar muitas gargalhadas. Num jogo em que estavam duas equipas a tentar vencer um jogo de forma séria onde reinou o fair-play, esta terceira equipa realizou uma exibição muito aquém das outras duas e conseguiu expulsar um jogador de cada lado além de cerca de uma dezena de amarelos exibidos. Fracos, muito fracos.

No próximo jogo temos pela frente o Águias da Graça. Quando defrontamos este adversário na primeira volta não conseguimos mais que o empate por mérito do nosso principal opositor desta época que não quis ver uma escandalosa grande penalidade sobre Manaus que daria o segundo do Porto d’Ave, e nos minutos finais os forasteiros chegaram injustamente ao empate. No entanto sabemos que podemos recuperar os pontos que nos roubaram se estes atropelos á verdade desportiva não marcarem presença em Padim da Graça, por isso no próximo Domingo vamos mais uma vez acompanhar a nossa equipa e subir mais um degrau na tabela classificativa.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Vamos Apoiar o Porto d'Ave


Séniores
G. D. Porto d'Ave *** G. D. Apúlia
Domingo, dia 14 de Março pelas 15,00 horas

Futsal Feminino
Vitória S. C. *** G. D. Porto d'Ave
Domingo, dia 14 de Março pelas 19,00 horas


"O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objectivo. Mesmo não atingindo o alvo, quem busca e vence obstáculos, no mínimo fará coisas admiráveis."

José de Alencar