sexta-feira, 27 de novembro de 2015

G. D. Porto d'Ave - 37º Aniversário


DEUS quer, o Homem sonha, a Obra nasce.


     Aos 27 de Novembro de 1978, o Grupo Desportivo de Porto D’Ave torna-se o mais jovem clube da Associação de Futebol de Braga. Este foi um grande passo na vida da colectividade, mas não foi aqui que tudo começou. O Porto D’Ave nesta altura já era grande. Antes desta data, ninguém da nossa freguesia ficava em casa nos dias de jogo nos torneios que se realizavam em Castelões e Brunhais. Lembro-me de grandes tardes e manhãs de futebol nessa saudosa década de setenta como se fossem ontem. Na abertura dum torneio contra uma “potência” do futebol daquela altura, o Serafão, em que vencemos por 5 a 0. Também num jogo em Castelões contra o Gonça, quando antes do intervalo o resultado já era favorável aos “nossos” por 2 a 0, com ambos os golos apontados por Tuxa (da D. Laura) e de repente um “tornado” protagonizado pelos adeptos de ambas equipas impediu que o jogo chegasse ao fim. (também aqui ninguém nos vencia!!!). Aquela final contra o Travassos, em que vencemos por 2 a 1, sendo este o único golo sofrido em toda a competição. O Guardião quase imbatível desse torneio era o senhor Carlos Rufino, naquela altura “Caló”.

    Sempre que olho para a taça de campeões desse torneio, recordo todas as emoções que sentia. Haviam ainda poucos carros na freguesia, mas para acompanhar o Porto d'Ave as caravanas eram sempre enormes. As camionetas também eram necessárias para levar todos os adeptos e os que iam na carroça eram sempre os mais ruidosos. Havia duas bandeiras enormes com quadrados pequenos e mal feitos que estavam sempre presentes e o apoio à equipa era feito a cantar as lindas canções da nossa terra. O Porto D’Ave não era ainda federado, mas já era muito grande, e eu, ainda criança, olhava para os rapazes das outras freguesias cheio de vaidade, pois eu era de Porto d’Ave e eles não. Já se cultivava o orgulho Portodavense.

     Neste tempo, contavam-se histórias do passado que me fascinavam e me fazia compreender que a grandiosidade do Porto d’Ave já vinha de longe. Falavam de jogos em que iam a pé e descalços, e só calçavam as botas, quem as tinha, para jogar. O resultado era sempre o mesmo, os “nossos” ganhavam. Às vezes também perdiam, mas esses episódios contavam-se em dois segundos, as vitórias é que importava recordar repetidamente sem que nada ficasse esquecido.

     Enquanto escrevo estas linhas, recordo imagens de homens que já não estão cá a festejar os golos e as vitórias. Quando a taça era nossa, e era quase sempre, enchia-se de champanhe e todos bebiam por ela. A festa durava até ao dia seguinte. Apesar de se repetirem em cada torneio, aqueles momentos eram únicos. Enquanto a festa durava, estavam esquecidas as amarguras da vida que afectavam grande parte da população, pois eram tempos difíceis.

     Uma das razões que tornavam o Porto D’Ave mais vencedor que os adversários, era o facto de nessa altura já treinar todos dias, pois não havia um final de tarde em que a bola não saltasse no terreiro dos divertimentos até ao anoitecer. Todos estavam convocados, e depois dum dia de trabalho árduo, a ninguém faltava energia para dar o litro atrás da bola.

     E foi graças a todo este entusiasmo que um grupo de homens da nossa terra reuniu para passar à fase seguinte, e assim nasceu o Grupo Desportivo de Porto D’Ave. Presto a minha homenagem e deixo aqui os meus agradecimentos enquanto Portodavense, a estes homens e muitos outros, que sem que o seu nome saísse do anonimato, foram imprescindíveis na criação do nosso clube. Penso que todos estes homens, há mais de trinta anos, já sabiam que estavam a criar este grande clube que tanto nos orgulha. Foram ambiciosos na aquisição dos terrenos que com dificuldade lá se foram pagando e que tão importantes foram para que se construíssem aquelas magnificas instalações. Os primeiros anos foram os mais difíceis, mas a união era tal que todas as barreiras foram ultrapassadas.

     Os jogadores do Porto D’Ave passaram a ser os ídolos das crianças da escola. No recreio, quando jogávamos à bola, marcávamos golos à Guilherme e à Gito, dávamos cabeçadas à Quim Moreira, fazíamos fintas á Peão, carrinhos à Firo, passes à Santos, caneladas à Araújo, defesas à Chico Fininho, etc.etc..

     Há uma história que se passou na minha sala de aula que demonstra o significado que o Porto D’Ave tinha para as crianças. Um dia a professora D. Graça mandou-nos fazer uma redacção sobre o que tínhamos feito no último Domingo. Cerca de metade da turma, sobretudo os rapazes, escreveu sobre a difícil vitória no complicado campo do Cavêz, em que houve invasão de campo quando o árbitro validou um golo de Nano, um chapelão ao guardião adversário. O resultado foi 1 a 2 a nosso favor. A professora ao corrigir os nossos trabalhos, não acreditava que tantos miúdos de nove anos tivessem acompanhado o nosso clube tão longe e achou que tínhamos copiado o tema. Com os desenhos e os trabalhos manuais passava-se a mesma coisa. Tanto a tinta da china, como em barro, nos têxteis ou em metal, tudo dava para fazer o emblema do Porto D’Ave.

     Nos primeiros anos a equipa de futebol sénior era a única a competir em toda a colectividade, mas com o passar dos anos foram-se reunindo esforços para que fosse possível ter escalões de formação, começando por uma camada de Juniores. Como os resultados eram positivos, outros escalões se foram acrescentando ao ponto a que chegamos há mais de uma dúzia de anos em que nos orgulhamos de ter todos escalões de formação onde também já escrevemos muitas páginas douradas. Mais recentemente ,o nosso clube torna-se ainda maior e mais bonito com a equipa de futsal feminino, onde na época passada conseguiram um brilhante título de Campeão Regional.

     Hoje, com quase duas centenas de jogadores de várias idades e ambos os sexos, o nosso clube já não é só de Porto D’Ave, pois são muitos os sócios e adeptos das freguesias vizinhas. Possuímos um dos melhores parques desportivos de todos os clubes do futebol distrital bracarense, pois não houve até hoje uma direcção que não o melhorasse. Fomos brindados recentemente com o tão desejado “tapete verde”, mas sonhamos ainda com um segundo campo e um pavilhão gimnodesportivo para continuarmos a somar êxitos nesta caminhada. Sem grandes saltos, passo a passo, o Porto d’Ave nunca parou de crescer, tanto no património como no plano desportivo, e assim irá continuar.

     A grandiosidade do Grupo Desportivo de Porto d’Ave é hoje reconhecida por todos, e não nos intimidamos quando temos que ombrear com clubes que representam nomes de cidades e sedes de concelho. Isto só é possível, porque a nossa camisola tornou-se de tal forma honrada, que muitos jogadores preferem vesti-la abdicando por vezes de avultados salários oferecidos por clubes que outrora tiveram nomes mais sonantes que o nosso. Também a nossa massa associativa tem características ímpares no apoio à equipa, e quando há mobilização para jogos mais importantes, os adeptos do Porto d’Ave tornam-se os melhores do mundo.

     O Porto d’Ave nasceu para ser grande, e já muito foi feito, mas há ainda muito a fazer para se tornar ainda maior, e todos temos o dever de continuar o trabalho iniciado pelos nossos pais e avós, que criaram este clube e o ajudaram a crescer. A todos estes homens que deram os primeiros e mais difíceis passos, é nosso dever demonstrar gratidão, mas principalmente aqueles de quem o nome não consta em nenhuma acta e muito menos numa lápide. Que todos que fazem parte do nosso emblema e os que a ele se juntarem no futuro, saibam que em cada palmo daquele recinto estão lágrimas e suor de homens, alguns de idade bastante avançada e debilidade física, mas quando do Porto d'Ave se tratava, conseguiam inventar forças para trabalhar com o intuito apenas de ver o nome do clube do seu coração cada vez maior. Sem esses, o Porto d'Ave seria muito mais pobre, e a maior homenagem que lhes podemos fazer, é seguir o seu exemplo e nunca deixar de os recordar. A eles dedico estas palavras.

(Tó de Porto d'Ave)

   

"Enquanto os rios corram, os montes façam sombra e no céu haja estrelas, deve durar a memória do bem recebido na mente do homem grato."

(Virgílio)

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Aylan - Uma imagem que fez tremer o mundo

 
  Depois de muito hesitar, porque só de pensar nisto dói, resolvi dizer algo em relação ao assunto do momento: 'Os refugiados que fazem a travessia do Mediterrâneo'; uma travessia entre o suicídio e uma escassa esperança numa vida longe do terror em que sobrevivem, fenómeno que agora tem um rosto e um nome: "Aylan."
  A humanidade está doente e a hora para combater essa doença, por cada minuto que passa, é fatal para muitos seres humanos que não são tratados como tal em tantos lugares deste nosso planeta, lugares esses que, apesar de estarem tão perto, olhamos para lá como se de outra galáxia se tratasse. 
  É urgente salvar os refugiados, mas estes são apenas parte do problema. Não são apenas eles que necessitam, que merecem e tem direito à nossa ajuda. Aqueles que continuam a viver (ou a morrer) nos locais de onde tantos fogem, neste momento com maior relevância na Síria, também têm direito a ser salvos.
  Já neste século, nas intervenções militares no Iraque ou Afeganistão, lugares que ainda tem muito que caminhar no sentido dos direitos humanos mas que, onde antes da eliminação dos monstros que lideravam politica e militarmente nestes locais, em algumas ocasiões, para se economizar balas, utilizavam químicos para fazer desaparecer aldeias inteiras duma só vez. Não era necessário cometer nenhum crime, bastava que algumas pessoas manifestassem descontentamento com o caminho que estava a ser seguido, e era fatal; pagava justo por pecador e dificilmente sobrava alguém para contar a história. 
   Mesmo assim, não faltou nem falta quem continue a dizer que ninguém tem o direito de intervir em nações que não são deles. De outra forma, aqueles povos continuariam abandonados à mercê da ganância desmedida e totalmente despida de escrúpulos de monstros que ocupavam as cadeiras dum poder que exerciam com a força das armas e do ódio, sem uma nesga de respeito ou piedade pelos outros.
  Essa hipocrisia tem que acabar. E se não for por respeito por tanta gente inocente a sofrer um pesadelo inimaginável, que seja por medo, porque isto um dia pode chegar aqui. Sim, aqui, porque a Europa não seria o primeiro local do mundo onde por exemplo as mulheres já puderam vestir-se livremente tal como nas nossas ruas ou praias, e hoje vêem-elas elas próprias e as suas filhas, obrigatoriamente, vestidas com a burka. Isto para não falar das sentenças atribuídas a quem se atreve contrariar estas e outras regras absurdas.
  Temos que acolher os que chegam, mas isso não basta, porque são muitos a chegar mas há dezenas de milhar a morrer pelo caminho e muitos mais são os que nem conseguem sair e continuam submetidos a uma vida de miséria e medo que o destino lhes traçou. Este número infinito de pessoas, seres humanos como nós, que tiveram o azar de nascer em zonas dum planeta ainda mais 'desumanizado', onde a vida caminha constantemente num infinito sofrimento, são de todas as idades; são crianças, adolescentes, adultos, idosos, que fogem das suas cidades, das suas aldeias, das suas casas, e não trazem nada com eles a não ser a esperança da nossa ajuda, para eles mas também para os que lá ficaram à espera dum milagre que depende de todos que tem algum poder para os ajudar.
  Todos podemos fazer alguma coisa, nem que seja apenas pôr um travão na hipocrisia e falar deste assunto com mais razão e sobretudo com gratidão por quem não fica de braços cruzados. A Europa não pode continuar à espera que mais uma vez os Estados Unidos resolvam sozinhos um problema que é de todos, para não falar que, por vezes, em situação idênticas num passado recente, ainda assistimos algumas pessoas com alta responsabilidade política a apontar o dedo à forma como a intervenção foi feita. Este problema é grave de mais e a resolução necessita da Europa e Estados Unidos e também países da América Latina, África, Ásia e até do Oriente, nações que queiram que a paz vença a guerra e se aliem, e juntos e determinados podem resolver o problema lá, onde ele existe.
  Curar apenas as feridas provocadas pelo monstro não chega; alivia a dor de algumas vítimas mas o verdadeiro problema permanece, continua a crescer e as vítimas serão cada vez mais. É necessário eliminar o monstro e eliminá-lo até à última raiz. Vai levar décadas, mas tem que ser um processo com princípio, meio e fim.

Só engrandecemos o nosso direito à vida cumprindo o nosso dever de cidadãos do mundo.”
(Mahatma Gandhi)

quarta-feira, 18 de março de 2015

Daniela Maia - 1ª classificada Concurso Literário António Celestino 2015




Daniela Soares Maia vence Concurso Literário António celestino 2015, no escalão “Terceiro Ciclo”
Daniela, uma menina que apresentou o trabalho aos treze anos e recebeu o prémio aos catorze, já vem habituando aqueles que a rodeiam a não ficarem surpreendidos quando expõe o seu talento de forma tão brilhante.
Mas este concurso não é uma competição fácil e sabia-se que a exigência para os premiados estava num patamar elevado. Mas como ela diz num conto que é um 'grito' para as complicações da adolescência (ninguém entende os adolescentes!!!!, ou será o contrário?!!!), os desafios estão aí, e este, com trabalho e talento, foi superado de forma brilhante.
Parabéns Daniela


"...Primeiro, como todos sabem, estamos a crescer. E toda a gente repara: “Aii, já estás uma mulherzinha”, “Daqui a pouco começa-te a crescer a barba”, “Já és maior que o teu pai”…Hrrrrr! Que raiva! Reparam tanto no nosso crescimento físico mas…e o psicológico?! Nós começamos a ficar saturados com a forma como nos tratam, continua a ser igual...."

(Daniela Maia) in (Só Quero Uma Explicação)

Só quero uma explicação!



Socoorrrroooo! O que é que vou fazer? Por que é que já não gosto das brincadeiras de antes? Por que é que o meu corpo está a mudar? Por que é que penso de uma maneira diferente? Por que é que estou sempre a lembrar-me do sorriso daquele rapaz? Por que é que me isolo tanto? Por que é que…Porquê?
Tantos porquês. Deve ser assim que estão todos a pensar. Sinceramente, nem eu sei a resposta a todas estas perguntas, são bastante simples e ao mesmo tempo bastante complicadas, principalmente para uma menina como eu. Sou uma rapariga de apenas 13 anos e estou a entrar numa fase um pouco mais…como é que hei-de explicar?! Não sei muito bem. Esta fase pode ser interpretada de muitas maneiras diferentes, mas para mim destaca-se num ponto bastante forte: uma nova forma de encarar o Mundo, diferentes expetativas para lidar com a nossa “nova” vida. Como já devem imaginar, eu estou a falar da famosa e conflituosa ADOLESCÊNCIA. Como hei-de conseguir lidar com todas as mudanças pelas quais estou agora a passar? Só quero uma explicação, uma simples explicação.
Sinceramente, nem sei por onde começar. Sempre que penso na adolescência, a minha cabeça mergulha num lugar inundado de coisas boas e más, principalmente más. Mas mesmo assim, vou tentar explicar, de maneira a que tudo se torne mais fácil para mim e para vocês, a vida e a cabeça de um simples adolescente em fase de crescimento, assim como eu.
Primeiro, como todos sabem, estamos a crescer. E toda a gente repara: “Aii, já estás uma mulherzinha”, “Daqui a pouco começa-te a crescer a barba”, “Já és maior que o teu pai”…Hrrrrr! Que raiva! Reparam tanto no nosso crescimento físico mas…e o psicológico?! Nós começamos a ficar saturados com a forma como nos tratam, continua a ser igual. Para os nossos pais somos sempre os bebezinhos dos papás. CRESCEMOS! E foi das duas formas. Só queremos que todos compreendam isso. E depois começam a queixar-se que respondemos mal e que somos mal educados, e é daí que surgem aqueles discursos intermináveis que temos que mudar de atitudes e bla bla bla… sempre a mesma coisa! Mas de certeza que nunca pensaram que estes nossos comportamentos são derivados dos comportamentos deles. Não gostamos de nos sentir controlados e sufocados. Começamos a pensar na liberdade. Sim, na liberdade. Por isso, só queremos que nos deixem viver na nossa, na paz.
Mas claro, também sei que nós, adolescentes, por vezes não temos os melhores comportamentos e reconheço isso, por mais difícil que seja admiti-lo. Eu tenho noção que não deve ser fácil ser pai. Ter o dever de cuidar de um filho, protegê-lo, amá-lo e defendê-lo sem nunca o poder largar. É um “trabalho” complicado.
Quanto àquela “praga” chamada mudanças de corpo, nem sei o que dizer. Ninguém lida bem com ela, é uma coisa constrangedora, mas temos que aprender a lidar, porque vai permanecer connosco para sempre, se o corpo muda não podemos fazer nada contra isso, apenas aceitar a situação. E ainda sobre isto temos os isolamentos dos adolescentes, porque a maior parte das vezes as suas causas são a falta de autoconfiança e a vergonha do seu próprio corpo. Sei que muitos jovens passam por isso, por serem gordos ou magros, gigantes ou minis, muito ou pouco desenvolvidos, várias razões. Só sei que existe este isolamento e não consigo percebê-lo. Felizmente, não sou uma das tantas e tantos adolescentes que passam por isto, mas gostava de entender o porquê de o fazerem. 
Ah! Mas o ponto mais interessante do tema são as famosas paixões…estamos na idade delas. Agora começamos a falar nos rapazes e nas raparigas, nos sorrisos e nos olhares, nos namoros e nas amizades coloridas, na forma de ser do sexo oposto e como nos tratam…reparamos em tudo, principalmente nós, raparigas. Não há nada que nos escape. Cada pessoa tem sempre aquele sorriso favorito e a voz que nos acalma nos momentos mais difíceis, temos uma pessoa que nos fascina de uma maneira desconcertante. Mas eu acho que isso é bom na nossa idade, visto que são estas relações que nos fazem perceber e passar por coisas da vida chamadas desilusões, partilhas, loucuras, safadezas e, claro, a alegria. 
Não sei se os rapazes são como todas nós. Até gostava de saber se eles também levam os sentimentos tão a sério e se se deixam levar por tudo. As raparigas não esquecem nada, tudo o que marcou fica para sempre. Adoramos uma mensagem de bom dia, um abraço forte, um “vai ficar tudo bem” acompanhado de um simples beijo na testa. São as coisas mais simples que mais nos fascinam. Assim como também gostamos de ter sempre alguém para nos apoiar e para estar ao nosso lado e jamais nos abandonar. Mas com esta idade ainda andamos com os namoros às escondidas e com vergonha do outro. Mas é normal, faz parte. Com o tempo aprendemos a perder a vergonha. Depois existe aquela preocupação de quando se tem o primeiro namorado: o primeiro beijo, o beijo que vai ficar para a história. Apesar de ser uma preocupação, é uma sensação bastante engraçada. 
Além disto tudo, as raparigas têm um vício que muito provavelmente é o mais importante: as amizades. Nesta fase, somos muito ligadas às amiguinhas e aos segredos partilhados com elas. Contamos tudo, e quando digo tudo, é mesmo TUDO. Temos uma certa cumplicidade umas com as outras que nos dá a liberdade e o dever de lhes contar o que se passa connosco. 
No meio das amigas existe aquela que nos acompanhou sempre desde sempre que nos ajuda muito mais, a chamada melhor amiga. Sem querer abusar da vossa paciência, quero explicar-vos este sentimento. Para começar apresento-vos a minha melhor amiga: Kika, estes são os meus lindos leitores, queridos leitores, esta é a Kika. 
A Kika é uma das pessoas mais importantes na minha vida: é ela que está sempre ao meu lado quando mais preciso, é ela que me pergunta o que sinto, o que se passa e o que quero a toda a hora e momento, e se querem saber, não é por ser uma chata (o que não quer dizer que não o seja), mas sim porque se preocupa comigo e só quer que eu esteja bem. Somos como irmãs, e como eu costumo dizer “ só não somos irmãs de sangue, porque não há mãe que nos aguente”, é uma grande verdade e eu sei bem do que falo. A Kika é uma pessoa pela qual sinto muito orgulho e devo-lhe uma parte da minha felicidade, porque ela é a menina dos meus olhos e todos os momentos que passamos juntas são inexplicáveis. Foi com ela que eu vivi momentos especiais, alegrias partilhadas, loucuras inesquecíveis, tristezas superadas e conversas intermináveis. É a minha mais que tudo, a pessoa na qual deposito toda a minha confiança sem nunca temer. Adoro-a! 
Depois de toda esta explicação penso que todos conseguiram perceber muito bem o porquê de nós, raparigas, darmos tanta importância àquela amiga que nunca vamos largar. Ela é um ponto de abrigo que nos acolhe a toda a hora. Necessitamos de alguém assim nas nossas vidas.
Com esta confissão, ficaram a saber melhor o que se passa na cabeça de um adolescente, principalmente na de uma rapariga. É nisto que pensamos e é isto que queremos. Mas, mesmo assim, depois de todo este testamento não sei se consegui responder a todas as perguntas iniciais, sinceramente acho que nem a metade. Andei aqui a enrolar tanto em cada subtema que, só agora, é que descobri que não apaguei nenhuma dúvida que tinha. Mas é normal. Até hoje não sei se houve alguém capaz de esclarecer tudo acerca da adolescência. Continua a ser um poderoso mistério e eu quero a chave para o desvendar. Por isso, volto a dizer: SÓ QUERO UMA EXPLICAÇÃO!
(Daniela Maia)

Margarida Ramos - 2ª classificada no Concurso Literário António Celestino 2015

'Na Pele de Nós Mesmos', foi o título do trabalho apresentado pela Margarida Ramos que lhe valeu uma distinção muito honrosa no exigente Concurso Literário António Celestino 2015 no escalão Terceiro Cíclo. 
Margarida Ramos é uma menina nada e criada bem no coração de Porto d'Ave e, apesar da sua tenra idade, neste trabalho que apresentou revela uma faceta bem adulta pela percepção que tem daquilo que a rodeia e, pela forma como a coloca no papel, não há dúvida que temos escritora.
Parabéns Margarida.  

"...Ainda sou muito jovem mas a cada dia que passa vou colhendo momentos, aventuras, delírios, tontices que guardo com muito carinho no meu baú. Tenho pessoas na minha vida que fazem com que o meu sol brilhe com mais intensidade. Tenham a certeza de que só se vive uma vez."
(Margarida Ramos) in 'na Pele de Nós Mesmos'


Na pele de nós mesmos…

É preciso coragem para enfrentar tudo e todos, temos medos que não nos compreendam por algo que tenhamos feito ou até mesmo por aquilo que somos. Cada um tem a sua história e cada um pensa por si, mas também temos sempre algo que escondemos dos outros ou uma faceta que temos medo de mostrar (até os mais egoístas, racistas e machistas têm um segredo que guardam consigo e que são enterrados com ele nos abraços).
Tudo aquilo que temos de bom gritamos ao mundo para que ele nos possa ouvir e abraçar e tudo aquilo em que acreditamos corremos atrás porque só os mais fracos é que não resistem a pressão de ser livres e de sentir na pele aquilo que gostam. Todos nós temos sonhos por concretizar, mas, por vezes, basta um dia menos bom para deitar o sonho abaixo mas se isso realmente acontecer é porque nunca foi um sonho verdadeiramente nosso, (e só às inseguranças e ao medo é que nós nos temos de agarrar para poder continuar vivendo num sonho que um dia vai ser nosso e que nunca deixou de ser).
A vida não só é feita de sonhos como também é feita de dias maus e de tristezas, por mais que nos custe eles existem e por mais que não queiramos eles chegam sem avisar. Não há solução possível para a tristeza profunda, nem para palavras que nos estragam o dia perfeito, mas há sempre alguém com um sorriso do lado de fora do nosso quarto quando não estamos bem e por mais que não nos resolva o problema tira-nos o sorriso da cara com simples verdades.
Uma das grandes verdades da vida é o amor. O amor pelos nossos pais, pelos nossos amigos e até mesmo por alguém que já nos despertou uma paixoneta. O amor pode ser o maior antídoto à face da terra, só precisamos de saber cuidar dele, porque se ele não for o que procuramos então não vale nada. 
Com os nossos amigos é o mesmo. Durante a vida vamos ganhando amigos e vamos perdendo outros, vamos também descobrindo que uns são nossos amigos para o seu próprio proveito e que, na realidade, nem sequer querem saber de nós. Esta atitude deixa-me profundamente angustiada, pois pensar que pessoas a quem damos tudo, a quem confiamos a própria vida e que vemos como um exemplo a seguir são uma fachada e não passam de uns fingidos. Fazer esta afirmação não é correto, uma vez que eles podem estar sempre a esconder alguma coisa e não serem verdadeiramente assim, nós só temos é que saber viver com isso e mostrar-lhes o que realmente são e dizer-lhes que não preciso pôr uma ‘máscara’ só para se fazerem de fortes porque ninguém é forte ou corajoso o suficiente para fingir durante toda uma vida ser uma pessoa que não é…
Mas no final de contas, o mais doloroso da vida é quando perdemos alguém que nós muito gostamos. Não há muito tempo eu perdi o meu avô, ele era uma pessoa fundamental na minha vida, como todos os avós são. No momento em que eu o perdi, eu senti que a minha vida tinha acabado e que fiquei sem chão para sempre. É normal esse sentimento. Não foi uma parte de mim que morreu, mas foi uma parte de mim que o meu avô levou consigo.
Quando soube que o meu avô tinha partido vivi os minutos mais dolorosos da minha, ainda curta, vida. Nunca me tinha acontecido perder alguém assim tão querido, sinto que desde ai me tenho vindo a perder pelo caminho, apesar de ele ser um bocadinho rigoroso, ele era, acima de tudo, um homem de exemplo, muito amado por todos. E eu perdi-o…
Contudo, apesar de tudo o que eu passei e senti não vejo nenhum motivo para passar o resto da minha vida a chorar ou a recordar uma pessoa que eu nunca mais vou ter de volta, eu sou muito nova ainda, tenho muita coisa para viver. Nunca devemos deixar nada para trás porque um dia podemos ter que vir a remendar uma coisa que já devia ter sido remendada há anos.
Querem saber, apesar de tudo vou continuar a fazer as coisas que me fazem sentir bem a companhia das pessoas que admiro. Daqui a uns anos vamos recordar memórias inesquecíveis. Quero rodear-me apenas de gente boa, gente que me faz bem, gente como eu que, com toda a simplicidade, vive e não sobrevive.
Ainda sou muito jovem mas a cada dia que passa vou colhendo momentos, aventuras, delírios, tontices que guardo com muito carinho no meu baú. Tenho pessoas na minha vida que fazem com que o meu sol brilhe com mais intensidade. Tenham a certeza de que só se vive uma vez.

FIM

(Margarida Ramos)



terça-feira, 17 de março de 2015

Participação de Suzete Fraga no Concurso Literário António Celestino 2015



Toque de Fel


   Os últimos raios de sol debatiam-se no horizonte, a luz pálida soava a rebate para a fauna diurna; era chegada a hora do recolher, o pôr-se a salvo dos predadores. Nesse ato rotineiro surge um grito muito ténue que desperta a atenção do pequeno Elias. Brincava nos arredores da sua casa aos polícias e ladrões, na verdade, havia apenas um ladrão que lhe roubava os prisioneiros da sua cela_o vento_ e o polícia era apenas um, também_ele próprio. Os prisioneiros, esses, eram às centenas, centenas de folhas de carvalho que teimavam em escapulir-se da cadeia, habilmente demarcada por quatro paus.  
   Ciente da punição, caso quebrasse a promessa de manter-se afastado da estrada, ainda pensou duas vezes se devia ir, mas a curiosidade falou mais alto e, guiado por um sexto sentido apressou o passo em busca dos gemidos, antes que a mãe notasse a sua ausência. As corridas entre condutores de meia-tigela, ao despique, começavam a ser habituais... Desejou que o carro que passara há instantes a derreter alcatrão nada tivesse a ver com aquelas súplicas e concentrou todos os seus sentidos no pedido de socorro que soava cada vez mais perto. Mais umas dezenas de metros e as suas suspeitas confirmaram-se: um pobre gatinho a contorcer-se de infelicidade. Precipitou-se a oferecer-lhe colo e tentou consolá-lo com festinhas enquanto procurava pela mãe ou pelo resto da ninhada do bichano. Nada, nem ninguém por perto, para reclamar o seu achado. Deixá-lo ali, condenado à sua própria sorte, era o mesmo que convidá-lo a fazer parte do asfalto, mais tarde ou mais cedo. Seria desumano tal coisa, ainda que, a ousadia de levar um animal para casa resultasse num sermão descomunal, igualmente desumano. Só havia uma atitude a tomar: entrar de fininho e acomodar o novo hóspede no único sítio possível_ o sótão. Para um pirralho de quatro anos até que era um génio... às vezes!
 Sabia de cor e salteado o discurso “antibichos de estimação”, especialmente criado para os gatos. E na lista negra, sobre essas bolinhas de pêlo fofinhas, recaíam as mais descabidas blasfémias, tais como: desordeiros, daqueles desordeiros que não permitem tapetes ou passadeiras no lugar; arruaceiros, arruaceiros que vandalizam bibelôs, cortinados, sofás e roupas, esta última quanto mais de cerimónia for, mais apetecível se torna, e a infâmia das infâmias: estúpidos, estúpidos ao ponto de se atirarem contra o próprio reflexo ou simples sombras. Por momentos, quase que se visualizava o Diabo da Tasmânia! 
   O plano correu de feição uns míseros dias. Os pelos na roupa, os ataques ao frigorífico e os longos períodos de silêncio sem explicação, não passaram despercebidos no radar materno. Quando ouviu um estridente “ Elias Miguel”, já sabia! Era chegada a hora de pôr a sua carinha de carneirinho mal morto em ação. De semblante cabisbaixo e rabo a roçar na parede lá se arrastou escadas acima até ao local do crime.

_ Desculpa_ proferiu em voz baixa, a ocasião exigia um tom de arrependimento avassalador e uma carrada de lágrimas de crocodilo_ encontrei-o perdido, muito aflito e não tive coragem de o deixar assim, abandonado_ prosseguiu aos soluços. Era imperativo que o furacão passasse de nível cinco para nível um, claro que, uma mãozinha (ou patinha) do aliado também dava jeito, mas estava muito ocupado a perseguir sabe-se lá o quê. Os dados estavam lançados, havia que aparar agora os golpes do adversário. Prestes a entrar em modo “entra a cem, sai a duzentos” depara-se com uma conversa estranhamente civilizada:
_ Um animal, por mais fofo e querido que seja, requer muita responsabilidade... estarás à altura desse cargo? Tens de lhe dar um nome, levá-lo ao veterinário, vais pagar a fatura para sentires o peso da mentira, assim, à medida que o teu mealheiro for ficando mais pobre lembrar-te-ás do motivo. Ouvirás atentamente as instruções e segui-las-ás à risca, respeitando as regras de alimentação e de higiene conforme o recomendado. Outra coisa: tudo o que nasce morre, imaginas-te capaz de lidar com a perda? É muito pequenino, pode nem sobreviver, já pensaste nisso? Além disso, vai crescer. Hoje é um punhado de gato, amanhã será um tigre. Ainda lhe acharás piada? Não se trata de um brinquedo descartável. Pensa bem, ainda queres esse novelo de pulgas?  
   Que ofensa, referir-se assim com tanto desdém ao seu novo amigo!_ Luke, chama-se Luke, como o Lucky Luke, vês o lenço ao pescoço? E sim, farei tudo o que for preciso por ele.
   Nesse mesmo dia, ao jantar, a mãe expôs o sucedido ao pai. Este mostrou-se orgulhoso do seu pequenote, apesar de repetir a repreensão matriarcal. Quis conhecer o novo membro da família que, mesmo a cumprir quarentena, tal era a quantidade de parasitas no pêlo, conquistou logo um acérrimo defensor. A mãe, ainda que não o admitisse, ficou igualmente derretida com aquele ser que cabia na concha formada pelas suas mãos. Não o trataria pelo nome, chamaria somente Gato, o nome comum para uma de muitas espécies de felídeos. O espaço que lhe fora destinado durante o isolamento, no sótão, abrigava montes de tralha prestes a ser descoberta pelo miúdo. Ao passarem ali a maior parte do tempo, perdiam-se em longas viagens no imaginário mundo pirata. O velho baú de madeira albergava uma quantidade infinita de preciosidades. Sem que ninguém o pudesse prever ou evitar, Elias descobre a chave de acesso à caixa de Pandora. Na companhia do seu amiguinho começa a ter visões estranhas que, de alguma forma, lhe são familiares. Ao tocar numa coleira feita pela mãe, quando tinha pouco mais do que a sua idade, percebe a sua relutância em criar laços afetivos com animais. Tivera igualmente um gatinho, a quem se destinava a coleira feita na aula de trabalhos manuais. Um companheiro de todas as horas e que não chegou a usá-la. A violência atroz das imagens impediram-no de largar a faixa de couro entrelaçado, sendo obrigado a ver o fim trágico do animal, chegando mesmo a sentir um cheiro intenso a queimado. Pior, viu e reconheceu o rosto do perpetrador. Com o intuito de consolar a mãe faz-lhe uma descrição pormenorizada sobre o que acabara de ver. 
   O choque de reviver novamente uma parte do seu passado, que desejava enterrado para sempre, não excede a surpresa de ter um filho com dotes paranormais.  Ela, melhor do que ninguém, sabia o preço a pagar por se ser diferente.  Como reagir nesta situação? Deveria desencorajá-lo, entrar em negação, consultar médicos, desvalorizar e, quem sabe, com o tempo a coisa caía no esquecimento? Optar por dar tempo ao tempo e ir tentando perceber o que despoletava aqueles surtos de psicometria teria que bastar, por enquanto. Porque um mal nunca vem só, vê-se desamparada, sem a sua pedra basilar. O que se designava  bronquite mal curada galopou à velocidade da luz, empurrando o marido para um diagnóstico cruel. Desde sempre encorajou o seu menino a confiar nos pais e a não ter segredos, por isso, fazia-lhe doer o coração ter de lhe pedir que abrisse uma exceção, só desta vez, para não comprometer a recuperação. E ele prometeu. Prometer-lhe-ia o mundo se lho pedisse, só queria que o pai ficasse bom. Que largasse a cama do hospital e voltasse para casa. Que lhe tirasse as rodas de apoio da bicicleta, que acabasse de construir a casa na árvore, seguindo o projecto toscamente desenhado pelas mãos do seu artista. Para o papá, aquilo era um verdadeiro Picasso, dali sairia uma verdadeira mansão. Já tinham colocado a escada para trepar e a plataforma que serviria de base. Depois vinham as paredes, o telhado, um ninheiro para os passarinhos e, claro, a mobília! Tanta coisa para fazer! Ambos acreditavam serem donos do tempo. Mas o tempo é matreiro, não respeita nada, nem ninguém. Não devia ser assim. Houve um “até amanhã, campeão” e o amanhã não chegou. Em vez disso, veio um buraco na terra, fundo e feio, gente desconhecida a querer cumprimentá-lo de todas as maneiras, a mamã inconsolável e o choro do sino da igreja. Inesquecível aquele som. Se os anjos choram deve ser assim, uma melodia nostálgica.
   A mala das ferramentas permanecia na garagem, imóvel e inútil. Decidiram deixar tudo como estava. Ainda dava para sentir o perfume dele pela casa. A imagem do seu rosto, com gotas de suor a deslizar pela barba, surgia a cada passo. A mamã dizia que não havia coisa mais bem feita do que um homem com a barba por fazer e trocavam olhares atrevidos... Todos os dias, sem desculpas, dorido ou não, tinham o momento Pai e Filho: coisas para homens, a mãe ficava de fora, já tivera esse privilégio o dia todo. Era rebolar na relva, apanhar flores para a “dona da casa”, descobrir tocas de grilos e gritar como autênticas senhoras, quando saíam de lá aranhas. Outras vezes, quando estava muito cansado, subiam para a plataforma na árvore e ficavam simplesmente a ver os carros a passar. Como pôde esquecer-se da sua habilidade para ver imagens através dos objetos? Tudo o que existia em casa tinha uma história para contar. Correu para a garagem em busca da mala de ferramentas. Divertiram-se muito a dar-lhes uso. Abriu-a ansioso. A folha de papel com o desenho daquela que seria a casa de sonho, ligeiramente amarrotada, ao lado dos pregos e do martelo. No compartimento de baixo: vários tipos de alicates, uma chave de fendas, desandadores, parafusos, roscas e outras miudezas para pequenas bricolages, tudo muito bem acondicionado. Curiosamente, não “via” nada. Mexia e remexia em tudo e, nem uma imagem. Quisera o destino que voltasse a ser um miúdo normal?
    Desapontado com a aparente perda da sua quimera agarrou a folha de papel para comparar o desenho com a obra inacabada. Umas manchas de caneta denunciaram o verdadeiro projeto da estrutura, na parte de trás da folha; linhas muito direitinhas e uns números que deviam ser as medidas, tudo desenhado cuidadosamente ao pormenor. Até o ninheiro para os passarinhos já tinha sítio marcado. Aconchegou o papel ao peito e elevou os olhos ao céu (a mamã disse que o papá estaria sempre, lá em cima, a olhar por eles) e prometeu, um dia, acabar a “Mansão”. Mais do que saber do passado interessava-lhe reviver o que já não podia voltar a ser vivido.Pouco importava os sarilhos inerentes. Não queria apagar o papá da sua mente, ele ficaria muito triste. O tempo contava-se agora devagar; não havia pressa para chegar ao dia das bruxas, ao Natal ou a qualquer outro dia festivo. Aliás, pensar na possibilidade do dia seguinte existir era como alimentar brasas incandescentes no coração. Como continuar sem o pedaço que lhe foi arrancado? Nunca foram muito de ir à igreja, mas agora, mandavam-se rezar umas missas pelo papá. Estas, certamente, seriam mais apreciadas que as lágrimas. Ou, pelo menos, gostavam de acreditar que assim era. Quando tudo desaba procura-se conforto na fé, no invisível. A crença, que foi transmitida de geração em geração e perdendo o fulgor com o passar do tempo, ganhou um novo alento. Não tardou a inscrição na catequese e os encontros semanais com a dona Amélia. Estava a ficar um homenzinho. Havia que gerir muito bem o tempo livre; isto de ser nomeado homem da casa era uma carga de trabalhos. Escola, trabalhos de casa, um gato para cuidar, ajudar nas tarefas domésticas, catequese e missa ao sábado, missa novamente ao domingo, uma canseira daquelas! Por vezes, nem ao fim de semana podia parar para respirar; não bastavam os compromissos semanais e ainda levava com as viagens alucinantes para expor os quadros da mamã, aqui e ali. Enfim, a rotina atribulada do comum dos mortais dava ares da sua graça e, com ela, o tempo de ser criança esfumava-se no constante tique- taque do relógio.
   Já tinham passado quatro anos. Era finalista do quarto ano e mandava a tradição que se fizesse uma festa para comemorar a primeira de muitas conquistas. A única oportunidade de muitos meninos experimentarem a sensação de envergar capa e cartola como os universitários. Um bico- de- obra para os pais que tinham a árdua tarefa de organizar a festa. Os finalistas pouco ajudavam, tinham os seus próprios números para ensaiar. A hora de honrar os seus mestres aproximava-se, imperavam os nervos e a tristeza da despedida anunciada. Quatro anos que passaram a voar e, no entanto, quase uma vida. Tantas lembranças… A ternura da dona Luísa a chamar para o almoço, a aflição dela quando aparecia alguém com o joelho esfolado. 
  _ Oh, meu filho, o que é que foste arranjar?! _dizia docemente, soprando beijos mágicos que faziam a ferida parar de doer. Os chazinhos da dona Maria para curar as “viroses” típicas das segundas- feiras; birras fingidas por deixar a saia da mãe. E sabia tão bem, aquele chá quentinho acompanhado de um afago na cabeça! Milagrosas, também, as mãos do professor João que domava os piores “terroristas” da turma com a sua música. Dizia que a rebeldia era a falta de amor a gritar. Pegava nos mais carentes, que ansiavam por um bocadinho de atenção, e sentava-os ao seu lado a tocar piano. Mágico! Por momentos, a felicidade imperava, esqueciam as bebedeiras do pai, as discussões e as dificuldades económicas lá de casa. Sentiam-se amados e especiais. Muito aprenderam com as professoras, valores como a bondade, a partilha, a tolerância. Transmitiam a mensagem dando o exemplo. Quantas vezes aqueceram uma sopa no micro-ondas e ficaram até altas horas da noite a trabalhar, para garantir que nenhum aluno desfilasse sem fato de carnaval, ou não recebesse (em alguns casos) aquilo que seria o único presente de natal. Marcante, também, aquela vez em que deixaram a sala de aulas para levar algumas flores do jardim da escola à santinha perto da escola, clamar proteção divina para o coleguinha que fora atropelado e o postal coletivo de rápidas melhoras que seguiu pelos correios. Para não falar do companheirismo entre docentes. As brincadeiras que organizavam para desejar um feliz aniversário a um colega ou, simplesmente, animá-lo numa fase menos boa da vida. Um exemplo de convivência sã, transpirando respeito e estima uns pelos outros. Por tudo isto e muito mais, o dia da festinha de final de ano exigia que todos os detalhes fossem pensados ao pormenor.
   Elias estava longe de imaginar o que estava prestes a vivenciar. No dia que antecedeu a festa, enquanto a equipa responsável pelo banquete organizava o espaço e ultimava as decorações, Elias entretinha-se a ver a exposição de fotografias, resultado de muitas atividades e aventuras vividas por ele e pelos seus colegas, mas não só. Uma parte destinava-se a um passado mais remoto. Por ali passaram pais, tios, irmãos… Reconhecê-los em ponto pequeno, desdentados e trajados à camone era algo complicado, porém muito divertido. Tentava decifrar o rosto da mãe num universo de perfeitos anónimos até que, um arrepio lhe percorre a espinha. Sentiu os cabelos da nuca eriçarem-se. Algo nefasto pairava no ar e não percebia o motivo. Tratar-se-ia de um aviso, de uma ameaça ou apenas o stress a manipular-lhe a mente? Respirou fundo, contou até dez, de olhos fechados. Nada! O peso nos ombros persistia e o mal- estar ia alastrando gradualmente, em direção ao peito.
  _Elias?_ chamou a mãe_ Estás bem? Estás pálido.
  _Ainda falta muito para irmos? Já passa da minha hora!_ alertou o petiz.
  _ Tens razão, deixa-me só confirmar se temos carvão que chegue. Podes vir comigo, se quiseres.
Nunca tinha entrado nas arrecadações, nem fazia ideia do que guardariam ali, naquele espaço bafiento e escuro. Não faltavam teias de aranha a adornar as paredes e bichos- de- conta em fuga, atordoados com a súbita claridade da lâmpada. Refugiavam-se no meio da lenha, devidamente empilhada e por entre alguns sacos cheios de pinhas, os sobejos do inverno passado, encostados a outro canto. Na outra ponta da divisão uma estante repleta de objetos, quadros e trabalhos deixados pelos ex-alunos.
    Ao lado da estante, encontrava-se uma carteira em bom estado mas, de certo modo, antiga. Já havia muitos anos que aquele modelo deixara de ser usado nas salas de aula. Talvez tivesse ficado por ali para, um dia, fazer parte de um museu ou algo do género. Para Elias, porém, o motivo seria outro. Indiferente aos apelos da mãe para sair após ter conferido a quantidade de carvão e preparar-se para fechar a porta, Elias passa os dedos no tampo da mesa formando sulcos de uma ponta à outra, tal era a quantidade de pó ali depositado, ignorando o estado em que ficarão as suas mãos e a roupa, sabendo que aquele objeto obsoleto era a causa do seu mal-estar.
 Senta-se, só assim consegue ver melhor, gosta de ver com o tato como qualquer criança, passa as mãos por baixo do tampo da mesa: pastilhas elásticas! Esboça um pequeno sorriso, «uma outra geração, o mesmo vício», recorda. Experimenta a cavidade para as canetas e escorrega o rabo de um lado para o outro, imaginando-se sozinho, sem colega de carteira com quem dividir o espaço numa aula qualquer. Foi isso. Foi esse mero ato, quase involuntário, que lhe dissipou a névoa que o perseguia. Levantou-se rapidamente, com a sensação de ter sido açoitado selvaticamente, incrédulo perante tal perceção, guardou na mente aquelas imagens perturbadoras que surgiram em cascata como se estivesse no cinema a ver um filme de terror. 
   Aquilo terá que ter um propósito. Sim, certamente tem um propósito, mas qual? O que é suposto uma criança de dez anos fazer em relação ao que acabara de ver? Considerá-lo-iam louco se, porventura, se atrevesse a denunciar a sua descoberta. No entanto, um pacto de silêncio seria igualmente devastador. «Deixa para amanhã o que não queres fazer hoje», diria o papá. Não fosse essa expressão, ele seria a prova de que a perfeição existia mesmo, refilava a mamã inúmeras vezes, na sua ânsia de ter tudo sob controlo. Céus, como a irritavam os sucessivos adiamentos de tarefas! No entanto, não seria esse “defeito” que lhe conferia a perfeição aos olhos deste seu filho? E o argumento? Quem se atrevia a rebatê-lo? Para quê cortar a relva, logo agora, se o que estava a apetecer eram duas partidinhas de futebol? E que jeito faziam aqueles tufos enormes para amortecer as quedas! Faria diferença aqueles centímetros a mais, caso fosse o seu último dia de vida? Não seria uma escolha unânime, por essa ordem de ideias? Não seria tudo muito mais fácil se seguissem esse critério mais amiúde? Claro que sim, o papá era um poço de sabedoria! Porém, por mais aliciante que fosse a ideia, desta vez, não ajudava muito na resolução do problema, pensava o miúdo, incapaz de decifrar uma escapatória que lhe amenizasse a consciência. O terceiro chamamento da mãe, a chave na porta, os nervos a faiscar com tanta demora e, a carteira ali, num apelo sem cessar.
  _ Só mais uns minutos_ implorou.        
  _Cinco e nem mais um segundo_ retornou, já com os olhos esbugalhados. 
Nunca mais ouviu relatos de visões, a priori, o seu desabafo estava seguro. 
Decidira colocar por escrito o que, por tantos anos, lhe corrompeu a alma. Tinha de o fazer para poder prosseguir. Não teria outra oportunidade, com as escolas a encerrar, era uma questão de tempo até esta fechar também. Acabaria tudo no lixo, juntamente com a sua confissão. Nunca ninguém saberia, pois, por norma, só as auxiliares é que teriam acesso às arrecadações. À sua maneira, dava o assunto por terminado.
O miúdo suspirou de alívio com a conquista de mais uns minutinhos de sossego. Sabe que não obterá mais que isso. A imagem de uma menina surge-lhe alternadamente; ora mulher adulta, ora menina inocente. Ora vê os seus sonhos, ora sente um coração cravejado de espinhos, ora admira a forma como se aplica a colorir as páginas do seu caderno, ora… Quem diria? Ela esteve ali! Ajoelha-se para espreitar a carteira por baixo do assento, quase impercetível, encontra um sobrescrito envolto numa fita adesiva de cor castanha. Tentara, à sua maneira, livrar-se dos espinhos que foram crescendo em torno do seu coração. Daí as imagens: ora desenhos no caderno, ora desabafos no papel; a fúria das palavras que fazia as suas mãos tremerem. Era a peça do puzzle que faltava. Elias mal consegue conter a admiração que sente por aquela ex-aluna. Ambos partilham métodos de defesa muito similares: o silêncio, a paciência e os reflexos defensivos em prol da sanidade mental. E percebe, percebe a necessidade de fazer tudo ao seu alcance para que os espinhos deem lugar a sentimentos coloridos, sentimentos de uma leveza indescritível. Ela merece-os. Merece saber que há alguém que se importa com a sua mágoa e se sente repugnado face à impunidade de tais atos. Há alguém que se sente no dever de denunciar e evitar acontecimentos destes no futuro e, com alguma sorte, talvez a sua alma sinta que foi feita justiça. Despacha-se a apagar a luz e a fechar a porta. O dia seguinte promete… Já sabe o que fazer com a recém-descoberta, sem correr o risco de se expor.
Chegado o momento da entrega dos diplomas, Elias pede para falar. Dirige-se ao palco, muito seguro de si e, diante do microfone, começa a ler a carta que achou escondida na velha carteira:
“Lembras-te de mim?
Já lá vão alguns anos e, ainda assim, recordo-me como se fosse hoje. Chegavas com aquele ar quixotesco, tipo Steven Seagal (desculpa, Stevie!).”
A plateia, que desconhecia o teor da intervenção, desfez-se em gargalhadas.
“ «Não, não bate nas raparigas» _ garantiram-me com convicção. Foi o suficiente para sossegar o meu coraçãozinho de pardal, preso numa armadilha impiedosa. Acreditei que tinha à minha frente um novo mestre; alguém digno de confiança, coisa que já vinha sendo habitual no meu percurso escolar…”
   Fez uma pausa para encarar a multidão. Observou os rostos pasmados, agora mais sérios, tentando perscrutar um objetivo naquela missiva e continuou calmamente:
“Longe de mim imaginar-me personagem principal num enredo no mínimo insólito no que diz respeito à arte de lecionar. Sim, lecionar é uma arte. Infelizmente, não é para todos.
   Quiseste saber porque me ri, quando mandaste a colega, que estava sentada nas últimas carteiras, mudar-se para a que estava mais próxima de ti. Confesso que teria ficado na inocência, não fosse o comentário elucidativo do meu companheiro. Apercebeste-te e quiseste chegar-lhe através de mim. Mas lealdade, meu caro, não se compra com uma caixa de sortido pelo Natal. Ou se tem, ou não se tem. Não me pareceu correto crucificá-lo por causa da tua mente perversa. É que, naquele tempo, já se usavam saias do tamanho de cintos; um oásis para os teus olhos. Como não cedi, ordenaste que fosse ao quadro escrever que era tolinha, frase, essa, que seria acrescentada, por todos, ao sumário daquele dia. 
   Se pretendias atingir-me, falhaste redondamente. Tarados, como tu, como ao pequeno-almoço, desde o dia em que nasci. Apanhei a primeira sova com quinze dias de idade portanto, o que fizeste nem deu para provocar cócegas na minha armadura de titânio. Mas deu para rir: uma frase tão simples, colocada no quadro não fossem os ignorantes escrever com erros! 
   Ahahahah, essa foi boa! Olha eu a rebolar no chão de tanto rir!
  Para terminar, como cereja no topo do bolo, exigiste o sumário assinado pelo encarregado de educação. Aqui sim, foste um tipo cheio de sorte! Calhou-te um, cuja única função (útil), se ficou pela doação de esperma. Depois de ler e assinar não fez qualquer pergunta ou comentário, o que para ti, deve ter sido um alívio; em circunstâncias normais, não te ia chegar o salário para aspirinas, Hirudoid e um par de óculos escuros.
   Deves ter sacado o diploma de psiquiatra de dentro da mesma embalagem de detergente onde arranjaste o de professor. Não me ocorre outra explicação. Não foste tu quem pegou num texto meu e o foi ler às outras turmas? Digo-te desde já: uma estratégia pedagógica surpreendente, vinda de alguém que se entretinha a discutir o sexo dos anjos e sei lá mais o quê, enquanto passava a lição na televisão, muitas vezes colocada por nós, para que não fosses incomodado.
   Esqueceste-te que os tolinhos também crescem. E só para veres como sou grande nem vou mencionar o teu nome; fica entre nós (ao preço que está o Listerine não querias mais nada, não?).”
   Fez uma pausa, o silêncio imperava mais do que julgava ser possível. O único som audível, o silêncio. Ciente que todos os olhos e ouvidos aguardam por um desfecho prossegue, sem mais demoras:
    “Se não passasses de uma nódoa, naquela que é a mais bela profissão do mundo, não terias subestimado o poder de uma caneta nas minhas mãos. Há quem opte por outras munições... Eu gosto desta: requintada e igualmente letal.
   Tentei muito, sabes? Só Deus sabe quanto!... Mantive as folhas com o sumário e o texto que leste, guardadas estes anos todos. Acabei por queimá-las, esperando que o veneno que semeaste ficasse reduzido a cinzas, e que o camião do lixo o levasse para bem longe. Não resultou. Continuou aquele objeto estranho atravessado na garganta. Isso faz-me mal. Muito mal! O sangue ferve e começa a circular em sentido contrário. Se uma gota caísse no quintal da vizinha exterminava-lhe as ervas daninhas todas e mais nada vingaria ali, durante uns cem anos. Não gosto de me sentir assim.           Por isso, devolvo-te as pérolas que criaste. Faz o que quiseres com elas. Quando morrer, quero ter uma expressão serena, típica de quem repousa em paz. Não posso, de forma nenhuma, deixar assuntos pendentes. Era só o que me faltava: os meus amigos, ensopados em baba e ranho, aguardando a minha chegada para o velório e o meu cadáver retido numa mesa de autópsias, exposto a jovens aspirantes a médicos, estupefactos com uma úlcera gástrica, nunca antes vista na história da medicina! Não, não posso correr esse risco!
   Escusas de esfregar as mãos de contentamento porque, como disse, o que me fizeste não causou qualquer dano. Danos irreparáveis causaste ao meu colega! Esperaste pacientemente, como o leão espera pela sua presa. Depois, atacaste impiedoso. Bastou-lhe faltar às aulas para ir nadar com uns amigos. Na primeira oportunidade, mandaste sair a turma da sala para ficares a sós com ele.Não me atrevi a espreitar pela janela. Diz, quem viu, que até a carteira andava aos tombos. Lembras-te dessas carteiras, banco e mesa tudo apegado? Ainda pesam um bocadinho, não? 
  Sentiste-te muito homem por espancar um “franguinho”? 
  Começas a perceber porque te trato por tu, espero. Um Professor ter-lhe-ia marcado falta e conversado sobre o assunto; ter-lhe-ia descoberto um dom, um diamante em bruto e trabalhado essa pedra preciosa.
   Preferiste ser o carrasco. Feliz com a obra que criaste? Podes admirá-la no estabelecimento prisional. Devias ir visitá-lo. A sério, nem que saias de lá com um andar novo, não faz mal. Quem sabe, dar-lhe folga um dia destes e fazer de Marilyn Monroe para o Hércules, do segundo piso. Umas feriazinhas sabem sempre bem. O que achas da ideia? Não?! Preferes algo menos... Caliente?! Também se arranja... Podes fazê-lo à noite, enquanto o sono não chega.
 Fecha os olhos e imagina uma mãe, uma senhora do mais humilde e trabalhadora que há; imagina uma casinha, uma casinha muito modesta, mas limpinha e asseada. Agora, imagina essa senhora com um lugar vazio à mesa, dia após dia, ano após ano. Imagina o batimento cardíaco, sempre que o telefone toca… Consegues visualizar? Agora, repara no verde dos seus olhos. Porque têm sempre tanta humidade? O que é que te dizem? Por quem é que ela tanto reza? Onde vai buscar forças para continuar a fazê-lo?
   Comovido? Se pensas, algum dia, falar com Deus, não o faças! Não sem antes falar com aquele menino. Aquele que tinha um olho castanho e outro verde. É o que lhe resta, desde então. A carcaça foi consumida pela droga, tem uma ou outra tatuagem, feita sabe-se lá em que condições para matar o tempo; um teste à sensibilidade, talvez. Mas creio que a vida se encarregou de ti, a julgar pelos últimos rumores que me chegaram aos ouvidos. Espero, contudo, que gozes de perfeita lucidez uma vida longa a remoer sobre o teu espólio. Se, em tão pouco tempo conseguiste tanto, nem quero imaginar o resto!
    Diz-me… ainda te lembras de mim?!”
   Encarou a multidão; uma geração de rostos envelhecidos, perfeitos anónimos, muitos deles, claramente sentindo parte daqueles desabafos como seus. Sem grandes explicações dirigiu-se apenas aos colegas:
   _ Amigos, na hora de escolher uma profissão lembremo-nos somente disto: podemos ser deuses ou carrascos, mas tudo tem um retorno.
Na plateia, o jornalista que registava o momento, abeirou-se de Elias e mostrou-se interessado em divulgar o conteúdo da missiva. A ideia foi acolhida com satisfação. A reportagem tornou-se viral e durante algum tempo o miúdo vibrou de orgulho. Só durante algum tempo… Depois surgiram notícias em que os papéis se inverteram: alunos maltratavam e desrespeitavam os seus mestres, logo a seguir emerge uma onda de escárnio por parte dos governantes. Elias interroga-se sobre o seu papel no meio de tudo isto. A haver uma próxima terá de pensar muito bem nas consequências. É que, no seu subconsciente paira a recordação de um dia ter-se magoado de forma muito dolorosa numa pedra. Furioso, arremessou a pedra várias vezes contra o muro. Apesar da fúria com que a projetava, ela parecia rir-se da situação, permanecendo intacta. Preparava-se para reduzi-la a pó, à martelada, quando, o que parecia ser um anjo lhe perguntou: Porque destróis a pedra, se podes construir um castelo a partir dela? Sentia uma lógica irrefutável naquela interrogação. E a confirmá-la, um filósofo, cujo nome não se atrevia a pronunciar, escrevera de um modo soberbo: “ Quando se olha prolongadamente para o abismo, o abismo olha para ti.”
    Mas… e se o abismo já lhe tiver piscado o olho?

(Suzete Fraga)